Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Vamos lá culpar as pessoas.

por Jorge Santos, em 12.07.22

limpeza de terrenos.png

casa em ruínas.jpg

 Neste dia negro para Portugal, mais um, por causa dos incêndios, vêm à liça diária, muitas discussões  tidas ao longo do ano - casas em ruínas e IMI; limpeza de terrenos; regionalização; capacidade dos meios portugueses face às tragédias.

 As pessoas são responsáveis pelos seus actos,  é óbvio; e devem ser penalizadas quando os actos pôem em risco a vida e bens de outros. Mas estou convicto de que a maioria da população, principalmente a do interior e que vive em meio rural, zela da natureza como ninguém. Dentro das suas possibilidades e que não são muito grandes.
 Há uma tendência quase mórbida, por parte das autoridades, em culpar as pessoas por tudo o que de mau acontece. Os incêndios, as cheias, as casas que caem, os terrenos por limpar, são alguns deles. E terão a sua cota-parte, com certeza. 

 Lamentavelmente, dentro dos gabinetes, com ar condicionado, das câmaras municipais e outros lugares governamentais, onde são decididas as vidas sociais e económicas das pessoas, há tanta incompetência e insensibilidade. 

 Grande parte dos terrenos por limpar ou são de heranças que não interessam aos herdeiros ou de pessoas que não têm meios financeiros para mandar limpá-los;por norma, vivem nas cidades e percebem nada de ruralidade na prática. O custo da limpeza é muito elevada. E não pode ser feita uma só vez no ano, o mato volta a crescer e rápidamente. E nova limpeza é necessária.  Falo de terrenos que pagam IMI e não dão qualquer rendimento ao proprietário. Que não tem meios financeiros para proceder à limpeza. E há muita gente nesta situação! Há até quem queira vender para se livrar destas aflições, mas ninguém quer comprar, pois não obtém rendimento. Apenas despesa.

 As casas em ruínas são outro maná para certos municipios. Muitas vezes provêm de heranças que deveriam ser recusadas. Mas quantas pessoas em Portugal sabem que podem declinar a herança e os procedimentos para tal?  Numa freguesia do centro do país, a aldeia tem variadíssimas casa à venda ( ninguém quer ir viver ali). Sem ser usadas, vão-se deteriorando e a ruína não tarda. A câmara municipal escreve uma carta aos proprietários informando-os de que deve reabilitá-la ou demoli-la, caso contrário, pagará o IMI em triplo. Ora, se percebermos como se procede na demolição- é caríssima -  para pagar à câmara e a privados, depois, a vedação, como vão fazer aqueles que não têm meios económicos? Não nos esqueçamos que em Portugal os salários são muito baixos e há imenso desemprego. A juntar à tragédia social que acontece após ser destruído o sector  da agricultura e pescas.

 Nos gabinetes de decisão, locais, regionais e nacionais, tem de haver gente com sensibilidade para o que propõe e obriga. Provavelmente, com apoio -  não é só a empresa do Mário Ferreira que precisa de apoios do Estado! - os terrenos estavam limpos e as casas em ruínas, devidamente qualificadas, para a aldeia ficar mais bonita.

 Mas, citando uma senhora de Leiria, em pleno incêndio, "Portugal é uma caca!"

 Vou ser mais preciso. Portugal tornou-se numa caca porque, a partir dos anos 80, só teve ministros de caca! E o resultado está à vista de todos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos