Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O precioso Mundo Rural.

por Jorge Santos, em 14.07.22

mundo rural.jpg

       Créditos da foto: Jesús Faílde, em "acontravento", Galiza

 O mundo rural foi sempre incompreendido, até desdenhado, pelo seu irmão citadino. Lembro-me de haver uma pungente ignorância que levava à incompreensão dos jovens que provinham das aldeias rurais para os liceus, na cidade. Senti isto, já lá vão, seguramente, 48 anos. E a tendência, se vivêssemos em condições normais e num país equilibrado, seria aproximar as duas realidades. E não faria mal nenhum aos citadinos, irem até às aldeias saber donde provêm o milho  (para fazer pipocas), o vinho, o leite, as batatas ( fritas são tão boas!), como se cuidam dos animais, dos campos, das florestas. Já que os rurais, por terem de ir estudar para as cidades, o confronto com a nova  realidade para eles era inevitável.

Correu tudo mal. Como uma menina da cidade a dizer, ou perguntar, se o leite achocolatado vinha das vacas castanhas e outras preciosidade do género. A cidade não foi ao campo ( nos últimos anos, por necessidade, foram sendo construídas as hortas urbanas, do mal o menos). E, após os anos 80, o campo desertificou-se. Os mais velhor foram partindo e os mais novos jamais quiseram dedicar-se à dura vida agrícola, preferindo a produção fabril, nas cinturas das grandes cidades. Até porque, com os fundos que vieram da Comunidade Europeia - supostamente para reabilitar - muita gente orientou a vida, desviando-os, e afastou-se do campo.

Conclusão. As aldeias ficaram desertas, os campos abandonados. Campos, muitos deles com um historial produtivo excelente, enxamearam-se de eucaliptos e silvas. Os caminhos, tão usados pelos agricultores, ficaram intransitáveis.

 Hoje, admiram-se os citadinos de haver incêncios tão agressivos nesses locais. Os terrenos não estão limpos? Pois , não! Só dão prejuízo, já são heranças de heranças e os proprietários nem sabem onde ficam. Seria bom pensar em utilizar meios públicos para fazer esse trabalho (pagam IMI à autarquia) e não dão rendimento ao proprietário. Depois, criar um entendimente entre o público e o privado para solucionar .

Custa-me ouvir o senhor Primeiro Ministro afirmar, vezes sem conta, que aculpa é das pessoas - não podem fazer churrascos, limpar terrenos nos momentos de contigência, levar a cabo quaiquer tipos de ignições, etc. Irrita-me esta mania citadina de ver a questão. Não são os do mundo rural quem destrói as suas fontes de rendimento. São pessoas, sim, mas criminosas que promovem todos estes incêndios. E nisto também o governo tem de mexer. Quer na parte penal quer na social, para que não apareçam forças a querer destruir o Estado de Direito.Já faltou mais...

 Senhor Primeiro Ministro, em vez de acabar com a Guarda Florestal, deveria pensar em ter menos ministros, secretários e assessores e reabilitar essa guarda, até lhe pode mudar o nome, para não correr o risco de dizerem que anda para trás. Mas faz muita falta.

 E deixe de culpar as gente do mundo rural! Tomaria o senhor ter a mesma competência na sua função como eles têm na defesa da ruralidade. Os animais estão incluídos, obviamente.

 E a Regionalização? Demora muito? É a única forma, a meu ver, de equilibar Portugal. Tão inclinado está para o litoral, qualquer dia cai ao oceano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:27


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos