Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Limpar as matas, sim! E o resto?...

por Jorge Santos, em 24.03.18

limpar matas 2.jpg

 ( foto RTP)

   Qualquer governo sabe que as oposições políticas são, quase sempre, pouco construtivas, inconsequentes e algo manipuladoras.  Infelizmente, assim funcionam os partidos políticos, pouco preocupados com o essencial e muito interessados em conquistar o poder pelo poder. Se assim não fosse, Portugal poderia ser um país muito melhor para os seus cidadãos... mas isso fica para outro dia...

  Chamuscado pela oposição e pelas chamas trágicas do passado verão e outono que ceifaram a vida a centenas de pessoas, o governo não foi de modas e avançou para o terreno. Porque o exemplo deve "vir de cima", com certeza - pena que quase nunca assim seja - e foi ajudar a limpar as matas. 

  Junto aos militares, o Primeiro Ministro e outros elementos do seu governo mostraram como se faz. E diz António Costa que não quer abrir uma caça a multas a quem não cumprir o que está regulamentado. Também concordo, mas não acredito que o faça. Basta ver como é feito o hipócrita controlo ao excesso de velocidade para perceber com que linhas se cose o governo. A importância de sacar dinheiro aos cidadãos é vício público e necessidade para manter um aparelho estatal pesadíssimo.

  Mas voltemos às matas e à sua limpeza. Assim que Marcelo Rebelo de Sousa - também ele deu o corpo ao manifesto- consideu a limpeza das matas como "Causa Nacional", ouviram-se de imediato as vozes da oposição. E o que podem estes afirmar? Falam de paliativos, empurrar responsabilidades, propaganda, e outras palavras de circunstância partidária.

 É certo, acho que todos nós concordamos, não é só a limpeza que evita o fogo nas matas; mas retirar matéria combustível é  forma de evitar incêndios de maiores dimensões e consequências. Fundamental que haja limpezas, que o governo ajude e o Exército - passa os dias nos quartéis a fazer absolutamente nada- dê uma ajuda, nem que seja colaborar pontualmente e fornecer os utensílios indespensáveis a quem não os têm ou pode sequer comprar.

  No meu entendimento, vamos continuar a ter fogos florestais, apesar de tudo. Porque o outro factor, o mais nocivo, continua a existir - a entrega do combate e da prevenção a empresas privadas. No tempo do "Deus Dinheiro", é fatal. Como bem diz o Presidente da República - Causa Nacional - deveria ser tomado em conta que, quer a prevenção quer o combate, deveriam ser efectuados por organismos públicos, cujo principal interesse fosse a defesa da Terra, da Vida, dos Cidadãos e dos seus bens. Claro que  entre os  privados não me refiro a operacionais dos Bombeiros Voluntários, por quem tenho a maior estima.

  Com empresas privadas e dinheiro metido na engrenagem, não há quem nos salve. Só o lucro importa. Limpamos nós o combustível, mas eles, se necessário for para os fins em vista, criam outros. E continuam a ganhar muito dinheiro com a tragédia das pessoas e do planeta. Como as guerras! E os incêndios florestais não deixam de ser uma espécie de guerra. Lamentavelmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D



Favoritos